icon-facebook

ADAILDES BISPO DOURADO

AUTOR: ADAILDES BISPO DOURADO

TÍTULO: O TRABALHO DOCENTE NO CONTEXTO DO ENSINO VERTICALIZADO DO CAMPUS RIO VERDE DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO: LIMITES E POSSIBILIDADES DE UMA FORMAÇÃO EMANCIPADORA

ORIENTADOR: Profa. Dra. Lúcia Helena M. de M. Oliveira. Coorientadora: Profa. Dra. Elizabeth Gottschalg Raimann.

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Educação

LINHA DE PESQUISA: Políticas Educacionais, Gestão e Formação de Professores

DATA DE DEFESA: 17/08/2018

 

RESUMO:

A pesquisa aqui descrita resulta de uma reflexão acerca do trabalho docente no contexto do ensino verticalizado do Campus Rio Verde do Instituto Federal Goiano em uma perspectiva de formação que promova a emancipação humana. A investigação, ancorada à linha de pesquisa Políticas Educacionais, Gestão e Formação de Professores, buscou conhecer os limites e possibilidades da formação humana mediante as contradições próprias do sistema capitalista, que ecoam, tanto nas políticas norteadoras da educação profissional brasileira, como nas diretrizes de formação docente para esta modalidade. Em razão disso, a análise dos dados obtidos fez-se por meio de um movimento dialético entre o contexto histórico da educação profissional pública no Brasil, o modelo vigente e o futuro que se anuncia a partir do que ora está posto. Para isso, foram utilizados instrumentos e procedimentos característicos de uma pesquisa qualitativa, como, levantamento bibliográfico sobre a temática, análise de documentos, assim como, aplicação de questionários e realização de entrevistas aos docentes que atuam nos três níveis de ensino de cursos da área de ciências agrárias do campus lócus desta pesquisa. A partir de então, verificou-se que o trabalho docente na verticalização de ensino está imbricado em contradições que vão desde a política de institucionalização do modelo até a sua materialização no âmbito acadêmico, passando pelas políticas de formação de professores e, sobretudo, pelo percurso histórico da educação profissional no Brasil, marcado, essencialmente, pela submissão aos ditames capitalistas. A incursão por cada um desses aspectos possibilitou o reconhecimento de que a dinâmica mostra mais limites do que possibilidades de uma formação que avance para além da capacitação técnica com vistas à empregabilidade, estando a formação docente dentre as barreiras mais importantes para a ressignificação do ensino público profissional contemporâneo. Também se apresentaram como barreiras, a característica político-pedagógica do ensino materializada na organização curricular dos cursos, prioritariamente voltada para a formação profissional, e as atividades de ensino, pesquisa e extensão que ainda não ocorrem, de forma equânime, atendendo aos pressupostos da articulação entre trabalho, ciência e cultura. Incide ainda como limitador, a não oferta do Ensino Médio Integrado e o modo de pensar do docente acerca da função social da educação pública profissional, que em sua maioria, considera como sendo a formação de mão de obra com vistas a um mercado competitivo. Conclui-se, portanto, que a oferta de cursos de níveis, que vão do básico ao superior, em uma mesma instituição de ensino é um germe importante para o rompimento da sólida divisão de classes já perpetuada na história da educação profissional, já que oportuniza ao indivíduo uma formação que tenta superar a supremacia da instrumentalização técnica priorizada pelo ensino profissional em todos os seus momentos, no entanto, para que este modelo se solidifique como também formador de indivíduos conscientes de seu papel de agente de transformação na sociedade em que vive, fazem-se necessárias novas políticas públicas com robustez suficiente para cumprir com esse intento

  Pdf ícone

TEXTO COMPLETO